• Filipe Adão

Princípio de redundância: você deve duplicar texto narrado na tela?

Quando e como usar texto e áudios sincronizados no conteúdo? Quais os impactos positivos e negativos desta prática?

Quando você cria cursos de e-learning, geralmente inclui texto na tela idêntico à narração em áudio? Se assim for, você definitivamente não está sozinho. De fato, praticamente todo mundo criou um curso como esse em algum momento. No entanto, apenas porque é uma prática comum, não significa necessariamente que é uma boa prática. Vamos dar uma olhada no que a pesquisa diz sobre o uso de texto redundante na tela.


Quando evitar texto redundante na tela


Como Mayer e Clark explicam em seu livro E-Learning and the Science of Instruction , vários estudos mostraram que, ao explicar conceitos usando recursos visuais, é mais eficaz usar o áudio por conta própria do que incluir as mesmas informações no áudio que no texto da tela.


Os pesquisadores acreditam que pode haver algumas razões diferentes para isso:


  1. Os alunos podem processar apenas um visual de cada vez. Se eles estão lendo o texto, eles não podem prestar atenção aos gráficos.

  2. Os alunos podem se concentrar mais na comparação do texto na tela com o que estão ouvindo no áudio do que no conteúdo real.


Quando os alunos têm muitas coisas para processar ao mesmo tempo, podem experimentar sobrecarga cognitiva, o que pode impedir que aprendam o material. Por esse motivo, na maioria dos casos, é melhor evitar a inclusão de texto redundante na tela ao usar recursos visuais para explicar o conteúdo.


Quando incluir texto redundante na tela


No entanto, isso não significa que você nunca deve incluir o mesmo texto na tela e no áudio. Mayer e Clark continuam dizendo que a pesquisa mostra que o texto redundante na tela pode melhorar o aprendizado em algumas situações. Por exemplo:


  • Quando não há nenhum visual.

  • Quando o conteúdo é apresentado lentamente ou quando os alunos podem controlar o ritmo, dando-lhes tempo suficiente para processar o visual e o texto na tela.

  • Quando o texto redundante na tela é reduzido a algumas palavras-chave que oferecem suporte ao visual.

  • Quando o texto incluir instruções que talvez precisem ser consultadas posteriormente.

  • Quando o áudio por si só pode ser difícil para os alunos entenderem, por exemplo, se existem termos com os quais eles podem não estar familiarizados, se não estiver no idioma nativo ou se tiverem dificuldades de aprendizado ou auditivas. Se você estiver criando um curso para um grupo heterogêneo de alunos, poderá optar por fornecer legendas ocultas que os alunos possam ativar e desativar, conforme necessário.

Nesses casos, o texto na tela reduz realmente a carga mental e pode melhorar os resultados da aprendizagem.


Fica a dica


Dependendo da situação, a duplicação de texto narrado na tela pode ajudar ou dificultar o processo de aprendizado. Seguindo as diretrizes descritas neste artigo, você pode usá-lo apenas quando fizer sentido.


Para ver por si mesmo como o uso de texto redundante na tela pode afetar a experiência de aprendizado, confira este exemplo em que o mesmo conteúdo é apresentado de várias maneiras diferentes.


E este foi o último da série sobre Os Princípios de Clark e Mayer. Espero que tenham gostado desse resumo com exemplos práticos que podem auxiliar muito quando estivermos criando um design instrucional.


Se você estiver interessado em aprender mais sobre o design de e-learning, comenta aqui embaixo ou nas redes sociais.


Se por acaso não viu os outros posts, não deixe de conferir os artigos desta série.


Série: Prinípios de Clark e Mayer

Traduzido e adaptado da comunidade E-learning Heroes.

Todos os direitos reservados Filipe Adão | E-learning & Design © 2020

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca ícone do YouTube