• Filipe Adão

Designers Instrucionais - O que são? O que fazem? O que eles comem?!

Atualizado: Mar 27



Como designer instrucional, passei boa parte da vida vendo a cara de interrogação das pessoas quando conto o que faço pra ganhar a vida. "E-learning? Design Instrucional?" Quando falo sobre o meu trabalho, é como se falasse grego. Se você está lendo este artigo, possivelmente já quis explicar ou quis saber isso de alguém. Vamos tirar uns minutinhos para entender de uma vez o que é o design instrucional (DI), quem está envolvido no processo de identificação e por que é uma parte importante do desenvolvimento do e-learning.

O que é o design instrucional?

Fundamentalmente, você pode pensar em DI como o processo de juntar informações e organizá-las de uma maneira a torná-las interessantes e fáceis para os alunos entenderem. Isso pode ser um pouco simplificado demais, mas é um bom lugar para começar.

O processo de DI geralmente é baseado em um dos muitos modelos teóricos diferentes. O que é mais conhecido e mais usado é chamado ADDIE, um acrônimo do inglês para as cinco fases do modelo: Analyze, Design, Develop, Implement, and Evaluate (Analisar, projetar, desenvolver, implementar e avaliar). Aqui está uma breve visão geral de cada fase:

  • Analisar: esta primeira fase do processo de identificação é, sem dúvida, a mais importante, pois permite identificar os elementos-chave que você precisará para projetar um curso eficaz de e-learning, como as necessidades de treinamento, os objetivos de aprendizagem e o perfil do aluno .

  • Design: durante a fase de design, os designers instrucionais tomam tudo o que aprenderam durante a fase de análise e começam a planejar e estruturar o conteúdo. Isso inclui as atividades de aprendizado do projeto, exercícios, avaliações, design visual e design de interface. O documento produzido durante esta fase de desenvolvimento detalhando todas essas decisões é chamado de storyboard e serve como um modelo para o curso.

  • Desenvolvimento: a fase de desenvolvimento é onde os criadores de instrução tomam o storyboard que criaram na fase de design e, de fato, criam atividades, exercícios, gráficos, etc. Esta fase também envolve testes beta e depuração de problemas que aparecem.

  • Implementação: Esta é a fase em que o curso é carregado para um Sistema de Gerenciamento de Aprendizagem (Learning Management System - LMS) ou colocar em linha para que os alunos possam acessá-lo.

  • Avaliação: Após a fase de implementação, o curso é avaliado para medir o quão bem alcançou os objetivos detalhados na fase de análise. A avaliação do curso pode resultar em revisões e uma versão atualizada do curso.

A abordagem ADDIE é o padrão de identificação atual. Claro que existem outros modelos de DI, como o modelo SAM , mas não são tão amplamente utilizados.

O que os Designers Instrucionais fazem?

As pessoas que praticam DI são, com freqüência, chamadas designers instrucionais, mas existem muitos outros nomes usados ​​para esse papel: designer de treinamento, tecnólogo instrucional, designer de e-learning, desenvolvedor de e-learning, tecnólogo educacional ... a lista continua!

Agora que você está familiarizado com o processo de identificação, talvez você esteja se perguntando: o que um designer instrucional realmente faz no dia-a-dia? Uma coisa que eu sempre amei sobre esse papel é a ampla gama de atividades que envolve. Aqui estão algumas das coisas que os designers instrucionais fazem no decorrer de um projeto:

  • Analisar as necessidades de treinamento

  • Analisar audiência / identificar perfis de alunos

  • Definir objetivos de aprendizagem

  • Identificar a estratégia de aprendizagem apropriada para um determinado curso

  • Reescrever e reestruturar o conteúdo de acordo com os objetivos de aprendizagem

  • Criar elementos multimídia para suporte de conteúdo (imagens, áudio, vídeo, etc.)

  • Criar avaliações para testar o conhecimento do aluno / aquisição de habilidades

  • Desenhar a aparência do curso (esquema de cores, fontes, layouts de slide, player, etc.)

  • Storyboard do curso antes do desenvolvimento

  • Desenvolver o curso em uma ferramenta de autoria

  • Implantar o curso em um LMS

  • Medir o impacto do curso no desempenho do trabalho dos alunos

A função DI varia de organização para organização. Dependendo do tamanho da sua equipe, você pode encontrar-se fazendo mais ou menos as tarefas acima. Tenha em mente que esta não é uma lista exaustiva e se destina apenas a dar uma ideia dos tipos de coisas que os designers educacionais fazem.

Por que o design instrucional é importante?

De acordo com Tom Kuhlmann da comunidade The Rapid Elearning Blog, "sem o design instrucional, o aluno pode ou não receber a informação de que precisa. Devido ao design instrucional, você pode fazer com que os alunos percam muitas informações estranhas e acertem as coisas importantes".

Se você está construindo um curso, é provável que você esteja fazendo isso porque deseja que os alunos adquiram novos conhecimentos ou habilidades. Um design instrucional sólido ajudará a garantir que isso aconteça.

Mas afinal, o que eles comem?! Brincadeiras a parte, eles comem conhecimento, digerem com criatividade e transformam em informação pronta para ser trilhada pelo aluno.

Se quiser saber mais sobre o Design Instrucional, e-learning e seus mistérios deixe seu comentário! Diga o que achou e se gostou, curta e compartilhe nas redes sociais! Sua opinião é muito importante para continuarmos produzindo conteúdo cada vez melhor.

Traduzido e adaptado do artigo An Introduction to Instructional Design.

#Elearning #EAD #Educaçãoadistância #Designinstrucional #Educação #Profissão #Tecnologiaeducacional

39 visualizações

Todos os direitos reservados Filipe Adão | E-learning & Design © 2020

  • Branco Facebook Ícone
  • Branca Ícone Instagram
  • Branca ícone do YouTube